Social branding de sucesso é possível sim!

Por Alberto Blanco

O social branding está cada vez mais presente nas ações de live marketing das empresas, principalmente por conta das redes sociais, responsáveis pelo imenso engajamento entre as marcas e os seus públicos-alvo. Embora pareça simples, é necessário se atentar a alguns pontos, que vão definir o verdadeiro sucesso da ativação.

Antes de começar a explicar os motivos pelos quais é realmente mais complicado do que parece criar ações relevantes de social branding, vou explicar o que significa esse termo.

social-branding

O australiano Simon Mainwaring, um dos maiores autores que estuda o tema, define essa estratégia como o engajamento das marcas com os consumidores a serviço de um propósito bem mais amplo, que simplesmente seus próprios interesses. O interessante desse conceito é que ele propõe que as marcas saiam da “zona de conforto” e contribuam para um mundo melhor.

Segundo dados da pesquisa We First, organizada por Mainwaring, 76% das pessoas não vêem problemas em marcas apoiarem boas causas e também lucrarem com isso, mostrando que a aceitação de ações sociais está em alta entre os consumidores.

Já que a ideia é fugir do óbvio e ir além, posso usar como exemplo um case bastante interessante da Pedigree, o “Adotar é tudo de bom”. Por meio de um assunto de interesse social, a adoção de cachorros abandonados, a empresa conseguiu se fixar como referência em projetos que seguem essa linha.

A marca já era consolidada e, mesmo assim, se preocupou com um tema para o qual poderia simplesmente ter fechado os olhos. No entanto, o projeto que acontece em países do mundo inteiro, tornou a Pedigree cada vez mais bem vista pelos consumidores e também para aqueles que não têm bichos de estimação.

Mas nem todas as marcas conseguem alcançar o sucesso com uma ação de social branding. Para quem pretende acertar em cheio no projeto, algumas dicas são de grande valia:

  • Estabeleça uma relação verdadeira com a sociedade. Observe que em cases de sucesso há sempre um gancho com algo relevante da sociedade, algum assunto que esteja precisando de ajuda. Então “coloque a mão na massa” e provoque uma mudança de verdade;
  • Use uma linguagem que conversa com o seu público-alvo e que seja condizente com a empresa. Não force a barra. Se a sua marca é conservadora, vai soar muito falso usar uma linguagem coloquial. Pense bastante em quem você quer atingir e que imagem deseja passar;
  • Defina uma diretriz para seguir e tenha a proposta muito bem definida. De nada adianta fazer social branding por fazer. Pense em uma ação que tenha a ver com a sua marca, só assim ela fará sentido aos olhos do consumidor e conseguirá perpetuar;
  • Tente educar as pessoas em prol da sua causa. O objetivo maior deve ser sempre estimular uma mudança de comportamento nos consumidores;
  • Tenha coragem para assumir riscos, sabendo que qualquer ação que envolva alguma mudança, implica em correr certos riscos. Coloque-os na balança e veja o quanto vale a pena assumi-los;
  • Feito isso, divulgue sem moderação no ambiente on-line. As redes sociais são hoje os locais onde mais se vê o consumidor engajado por uma causa. Exemplo disso foram as manifestações de 2013, em que todos os protestos foram organizados na mídia social. Estar presente nesse meio é fundamental para atingir quem mais precisa saber da sua causa: o público alvo da sua marca.

E agora, se sente mais preparado para criar uma excelente campanha de social branding e tentar fazer do mundo um lugar melhor? Então boa sorte na sua jornada!

ALBERTO BLANCO

Indicar para um amigo: